Ousar lutar!

|


Curta metragem sobre a luta dos educadores do Rio de Janeiro no ano de 2014.

Os 5 vídeos mais bizarros da Direita PSDB e seus argumentos políticos sensacionais.

|





E você, não acredita no crescimento da extrema direita no Brasil?

|

Até onde vale a pena trabalhar de graça?

|

Vi hoje a publicidade no Metrô Rio do Estação da Música e corri pra web pra ver qual era. Cheguei até a divulgar pr'uns amigos, mas quando peguei o regulamento pra ler desisti de continuar divulgando.


Cada ponto separado pode não ser tão ruim assim, mas se ligar cada um, poderemos ter nítido a mente maléfica, rs, dos advogados do escritório comandado pela Srª Adriana Ancelmo:
 "4.3. Não haverá contrapartida financeira e nem vínculo empregatício dos músicos com o METRÔRIO, bem como não poderá ser realizada qualquer ação que estimule a doação de valores" isto é, os músicos não recebem de forma alguma. O Metrô quer que você se contente com a simples divulgação do seu trabalho;
 "9.6. Durante todas as etapas do processo, e até 05 (cinco) anos após o término do Projeto, os músicos se comprometem a não atentar contra a imagem do METRÔRIO" isto é, o cara não pode reclamar nem do edital nem do serviço prestado pelo Metrô durante 5 anos! Poderiam ao menos melhorar o serviço pra ajudar o povo não reclamar;
 "7.2. Os artistas deverão se apresentar na audição com a mesma estrutura e infraestrutura que utilizarão nos dias de apresentação nas estações. Não poderá ser utilizada a energia elétrica e o mobiliário do METRÔRIO. " isto é, o espaço tá aí cumpadi, o restante tu se vira.
É a partir desse ponto que as coisas começam a ficar mais claras. O cara aprovado pelo edital tem quase as mesmas condições do artista ambulante que já se apresenta pelo metrô, com o diferencial que este profissional pode descolar uma grana. O que parece, adicionando mais este ponto na nossa analise, é que o intuito do metrô é criar uma forma legal, da legalidade, de vetar os artistas mais humildes que descolam uma grana se apresentando nos vagões, mas de uma forma legal, da parceiragem, selecionando os artistas que se apresentarão de graça, sem onerar de qualquer forma a empresa, nem mesmo com energia elétrica;
ponto bônus:
"9.12. Não poderão ser comercializados materiais de registro das Obras (como, por exemplo, CDs e camisetas), podendo ser divulgado o trabalho verbalmente ou através de cartões com informações adicionais para os interessados.", isto é, o metrô não te paga pela sua apresentação, os passageiros não podem contribuir pela sua apresentação, e você também não pode vender nenhum material com seu trabalho, mesmo tendo um contrato de 3 meses com o Metrô Rio.

Concluindo, como já disse o Bertamé, "o Metrô Rio ganha uma fortuna com seus passageiros viajando iguais sardinha, mas não quer pagar um mísero centavo para os músicos tocarem", pra fazer a empresa posar de legal, da parceiragem. Outra conclusão, é mais fácil fazer mais artistas de otários, do que reconhecer e profissionalizar os artistas ambulantes que já circulam pelo metrô.

Nota.-Segue em anexo o edital:
http://www.metrorio.com.br/Novidades/EstacaoDaMusica#

 

©2010 linhas de fuga | Copyleft um outro mundo é possível template original TNB modificado por coletivoC4